Tecnologia médica Tecnologias Assistivas

Método para mensuração automática da espessura da camada íntima em imagens ultrassonográficas de carótidas baseado em valores de extinção

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS E CARACTERÍSTICAS DA INVENÇÃO

research

Diagnóstico precoce da aterosclerose

settings

Medição automatizada

workflow

Indicador mais apropriado que métodos tradicionais

Método automatizado permite medir a espessura da subcamada de carótida, auxiliando no diagnóstico precoce de aterosclerose

A aterosclerose, doença caracterizada pelo acúmulo de lipídeos e células inflamatórias nas paredes de artérias de médio e grande calibre, tem sido uma das principais causas de morte no Brasil nos últimos anos. Por ser uma doença de patogenia lenta, ela demora anos para apresentar sintomas detectáveis, podendo ser percebida apenas quando o paciente já está em situação de emergência, no momento em que ocorre um infarto, AVC ou morte súbita.

Pensando nisso, pesquisadores da Unicamp e da UFSC desenvolveram um método algoritmo que permite auxiliar no diagnóstico precoce dos marcadores para aterosclerose, contribuindo para reduzir a taxa de mortalidade da doença. Como o acúmulo de placa nas artérias altera a espessura do complexo Íntima-Média, afetando especialmente a subcamada íntima, a presente invenção visa medir de forma automática a espessura individual das subcamadas de placas carotídeas em imagens de ultrassonografia.

O método utiliza o apoio de algoritmos de processamento de imagens, técnicas de morfologia matemática e métodos de aprendizagem de máquina. Além de medir a espessura da subcamada íntima das paredes carotídeas, ele auxilia em outras classificações importantes, como a relação da íntima com a função ventricular e a relação da íntima com marcadores inflamatórios.

Dessa forma, ele se mostra um indicador mais apropriado do que a medição da espessura da carótida Íntima-Média (CIMT). Isso porque, embora seja o método mais utilizado atualmente, este não consegue diferenciar quando o aumento da espessura é causado por aterosclerose ou por hipertrofia da camada média, sendo que sua adição a modelos tradicionais de predição de riscos cardiovasculares não melhora o desempenho de prognóstico desses modelos.

Por outro lado, é importante salientar que o novo método de avaliação da subcamada íntima é uma medida mais fortemente relacionada à aterosclerose, mas sua identificação e individualização em imagens de US de alta resolução continua bastante complexa. De forma geral, ela ainda demanda a presença de um especialista para, no mínimo, indicar os limites da parede carotídea, não podendo ser feita de maneira totalmente automatizada.

Devido a isso, a invenção não objetiva substituir o trabalho de um especialista, mas sim pré-classificar e caracterizar as imagens de maneira confiável, para a posterior avaliação médica. Além disso, na existência de centenas ou milhares de imagens a serem analisadas, a necessidade de assistência ou atuação humana gera um impacto negativo no tempo e no custo do processo. Assim, o método traz o benefício de poder ser aplicado em grandes bases de imagens para gerar novos dados e servir de substrato para novos conhecimentos e tratamentos médicos.

INVENTORES

Rangel Arthur

• Graduação em Engenharia Elétrica (1999)
• Doutorado em Engenharia Elétrica (2007)
• Docente na Faculdade de Tecnologia (Unicamp)
Alexandre Gonçalves Silva
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Wilson Nadruz Junior
Faculdade de Ciências Médicas (FCM – Unicamp)
José Roberto Matos Souza
Faculdade de Ciências Médicas (FCM – Unicamp)
Luís Felipe Rodrigues dos Santos Carvalho Romano
Faculdade de Ciências Médicas (FCM – Unicamp)
Angelica Moisés Arthur
Faculdade de Ciências Médicas (FCM – Unicamp)
Giulliano Paes Carnielli
Faculdade de Tecnologia (FT – Unicamp)
Andréa Coimbra Segatti
Faculdade de Tecnologia (FT – Unicamp)

FACULDADE/INSTITUTO:

Centro Superior de Educação Tecnológica (CESET – Unicamp)

DETALHES

TÍTULO: Medição da subcamada íntima carotídea
STATUS: DEPOSITADO
CÓDIGO: 1613_SEGMENTACAO
Sorry, no posts matched your criteria.

COMPARTILHE:

TECNOLOGIAS RELACIONADAS: