Programa de Computador Software

Fabricação de microrreatores com depósito de biotinta por impressão 3D

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS E CARACTERÍSTICAS DA INVENÇÃO

snap

Manufatura automatizada e em uma etapa

3d-printing

Fabricação em impressora 3D

account

Não necessita de profissional especializado

Código para impressão 3D permite fabricação em uma etapa de microrreatores com depósito de biotinta para aplicação em bioprocessos

O software permite que os dispositivos, aplicados na área de microfluídica, sejam manufaturados de forma automatizada em apenas uma etapa, tornando o processo mais simples e sem a necessidade de profissionais especializados. 

O uso de microrreatores em bioprocessos ainda é uma prática restrita devido aos desafios impostos pela necessidade de imobilização celular, o que está diretamente relacionado com a forma de fabricação desses dispositivos. Em geral, as técnicas empregadas demandam sala limpa, equipamentos de alto custo e pessoal capacitado, além de uma etapa de modificação de superfície do microcanal que pode causar a inatividade da célula. Como resultado, esses processos reduzem a capacidade de produção e elevam o custo relativo de cada microdispositivo fabricado. 

A impressão 3D, por sua vez, se apresenta como uma alternativa a essas complicações. Primeiro porque ela possibilita a construção de microrreatores com canais preenchidos com células imobilizadas em apenas uma etapa, mas também porque isso permite que o dispositivo seja fabricado em qualquer laboratório ou indústria que tenha uma impressora 3D. Além disso, essas máquinas não necessitam de pessoal especializado, não demandam equipamentos de alto custo e o treinamento para seu uso é fácil.  

O código desenvolvido resulta em um microdispositivo com 3 canais de 145 mm de comprimento, 3 mm de largura e 2mm de altura e que foram projetados para receberem tubulações flexíveis. Para tanto, é necessário que a impressora tenha um extrusor de polímero e outro de biotinta, bem como uma tecnologia Fused Deposition Modeling (FDM), que faz o depósito de forma contínua de filamento. Já o carregamento pode ser feito tanto por meio de um cartão SD para ser inserido na impressora quanto diretamente no programa que fará o controle da impressão. 

INVENTORES

Harrson Silva Santana

• Graduação em Engenharia Química (2010)
• Doutorado em Engenharia Química (2016)
• Professor colaborador na Faculdade de Engenharia Química (Unicamp)
Mariana Garcia Mendonça Lopes
Faculdade de Engenharia Química – Unicamp
Osvaldir Pereira Taranto
Faculdade de Engenharia Química – Unicamp

FACULDADE/INSTITUTO:

Faculdade de Engenharia Química – Unicamp

DETALHES

TÍTULO: Microdispositivos com células imobilizadas
STATUS: CONCEDIDO
CÓDIGO: PC205_CELULAS_IMOBILIZADAS

 

Esta tecnologia foi desenvolvida em parceria com a FAPESP

COMPARTILHE:

TECNOLOGIAS RELACIONADAS: