Aditivo desenvolvido por pesquisadores da Unicamp aumenta a eficiência da redução de espuma nas etapas de processamento do petróleo

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS E CARACTERÍSTICAS DA INVENÇÃO

soap-bubbles

Maior redução da formação de espuma no petróleo durante o processo

settings

Menos danos aos catalisadores usados no refino

profits

Potencial aumento da qualidade dos produtos desenvolvidos a partir do refino do petróleo

Produtos antiespumantes são essenciais para a indústria petrolífera e são usados em todas as fases da produção, transporte e refino do petróleo e seus derivados. Os antiespumantes são necessários pois a espuma, quando formada, provoca a retenção de ar nos líquidos, o que reduz a eficiência dos processos e pode comprometer a qualidade dos produtos.

 

Para reduzir a presença da espuma em todas as etapas, a solução mais comum e eficaz é a injeção de aditivos químicos nos reservatórios, dutos e tanques de petróleo. O aditivo mais comumente usado é elaborado à base de polidimetilsiloxano (PDMS), devido ao seu baixo custo e à sua satisfatória eficiência. Contudo, esse aditivo é pouco eficiente na eliminação de espumas em casos de petróleos com diferentes densidades segundo o padrão API (American Petroleum Institute). Além disso, durante o processo de refino do petróleo o PDMS deposita-se na superfície dos catalisadores causando o envenenamento desses dispositivos e comprometendo sua vida útil.

 

Para alcançar uma solução mais eficiente, pesquisadores da Unicamp desenvolveram um novo aditivo antiespumante, também elaborado à base de PDMS, mas com a adição de polímeros microparticulados, que alcançou um efeito mais intenso de inibição de espumas de petróleo. O material particulado contribuiu para esse aumento da eficácia, pois ele apresenta propriedades em suas interfaces que otimizam o contato entre as partículas, o óleo e a fase gasosa, otimizando o efeito inibidor da formação de espuma.

Problema Solucionado 

Aditivos antiespumantes à base de PDMS têm eficácia limitada em circunstâncias de petróleos com densidade variada, além de comprometerem os catalisadores usados no refino. Os problemas foram atenuados com o uso de polímeros microparticulados nesse aditivo antiespumante.

 

Aplicações 

A aditivo antiespumante tem potencial de aplicação na indústria petrolífera, podendo ser utilizado em todas as etapas de processamento do petróleo, como na produção, no transporte e no seu refino.

INVENTORES

Marcelo Souza De Castro

• Graduado em Engenharia Mecatrônica pela Universidade de São Paulo, campus São Carlos (2008)
• Doutor em Engenharia Mecânica pela Universidade de São Paulo, campus São Carlos (2013)
• Professor na Faculdade de Engenharia Mecânica da Unicamp (2014)
Vanessa Cristina Bizotto Guersoni
Centro de Estudos do Petróleo (CEPETRO)
Carlos Eduardo Perles
Centro de Estudos do Petróleo (CEPETRO)
Vanessa Rufato Carpi
Faculdade de Engenharia Mecânica (FEM)

FACULDADE/INSTITUTO:

Faculdade de Engenharia Mecânica (FEM)

PARCEIROS:

Centro de Estudos do Petróleo (CEPETRO)

DETALHES

TÍTULO: Método para obtenção de aditivo antiespumante e aditivo antiespumante assim obtido
STATUS: DEPOSITADO
CÓDIGO: 1906_ANTIESPUMANTE

COMPARTILHE:

TECNOLOGIAS RELACIONADAS: